ARTE – POESIA – WALLACE STEVENS – 1878 – 1955

 

ARTE É PRA TODOS

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO INTERDISCIPLINAR DE ARTE MODERNA ( 13 DE nOVEMBRO ) E PARA A AULA DE ARTE BRASILEIRA EM SANTOS ( 28 DE nOVEMBRO )

MAIS INFORMAÇÕES ATRAVÉS DO E-MAIL

luilopreti@hotmail .com

 

 Wallace Stevens foi um Poeta e Ensaista Moderno dos EUA. Estudou em Harvard e na New York Law School exercendo a profissão de Advogado por toda a vida. Contemporâneo de Robert Frost e Ernst Hemingway, teve entre seus poemas consagrados ” Anecdote of the Jar “, Disillusionment of Ten O`Clock “, The Emperor of Ice-Cream “, ” The Idea of Order at Key West “, ” Sanday Morning ” e ” Thirteen Ways of Looking at a Blackbird “ publicado junto a sua ” Colleted Poems ” ganhando o ” Pulitzer Prize for Poetry “ em 1955. Começou a escrever poemas já maduro, publicando na ” Poetry Magazine “ em 1914. Seu primeiro livro foi ” Harmonium “ em 1923. A característica mais marcante dos poemas não está na sua estruturação mas numa idéia de mundo que considera a realidade fruto da imaginação, apresentada em fragmentos de lirismo, espelhando a defesa do exercício do imaginário.

 

WALLACE STEVENS

WALLACE STEVENS

 

 O HOMEM DA NEVE

É preciso uma mente de inverno

Para olhar a geada e os ramos

Dos pinheiros cobertos pela nevada

E há muito tempo fazer frio

Para observar os zimbros arrepiados de gele,

Os abetos ásperos no brilho distante

Do Sol de Janeiro, e não pensar

Em qualquer miséria no som do vento,

No som de umas poucas folhas

Que é o som da terra

Cheia do mesmo vento

Que sopra no mesmo lugar vazio

Para alguem que escuta, escuta na neve,

E, ausente, observa

Nada que não está lá e o nada que é.

( Tradução de Paulo Venâncio Filho )

 

RE – DECLARAÇÃO DE ROMANCE 

A noite nada sabe dos cantos da noite

Eo que é como sou o que sou:

E em percebendo isto percebo melhor a mim

E a voce. Só nós dois podemos tocar

Um no outro o que cada um tem para dar.

Só nós somos um, não voce e a noite

Nem a noite e eu, mas voce e eu, sozinhos,

Tão sozinhos, tão profundamente nós mesmos,

Tão mas além das casuais solitudes.

Que a noite é apenas um fundo para nós,

Supremamente fiel cada um a seu proprio eu,

Na pálida luz que um sobre o outro joga.

( Tradução de Ronaldo Brito )

  


This entry was posted on sábado, novembro 6th, 2010 at 12:26 and is filed under Sem categoria. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply