ARTE – ESCULTURA – NORBERT KRICKE – 1922 – 1984

ARTE ACORDA O OLHAR

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO INTERDISCIPLINAR DE ARTE MODERNA ( 4 AULAS )  COM INÍCIO DIA 29 DE OUTUBRO – DAS 14:00 AS 16: HS – SÃO PAULO.

PARA MAIS INFORMAÇÕES ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL

luilopreti@hotmail.com

Norbert Kricke foi um Escultor Alemão. Aluno de Richard Scheibe e Hans Uhlmann começou seu trabalho em 1947, com preocupação formal associada a uma das questões estéticas de maior destaque no pós guerra – a incorporação de novos materiais e sua redimensão espacial. De natureza abstrata suas obras tem preocupação com as essências tornando-o um dos menbros mais importantes do grupo L`Art Informel. Nos anos 50, conheceu o genial artista Yves Klein e Ruhnau Werner passando a explorar de forma mais abrangente os conceitos ligados diretamente com o cotidiano visual nas suas composições. Utilizou materiais industriais, desenvolvendo uma poética dos elementos onde a água e suas propriedades foram os pontos de partida para suas reflexões sobre espacialidade e  movimento na Escultura. Entre suas obras mais conhecidas temos a ” Floresta da Água ” de 1957.

NORBERT KRICKER
NORBERT KRICKER

NORBERT KRICKER - RAUMPLASTIK HORNISSE, SPATIAL SCULPTURE HORNET, 1955-56.
NORBERT KRICKER – RAUMPLASTIK HORNISSE, SPATIAL SCULPTURE HORNET, 1955-56.

NORBERT KRICKER - STEELPLASTIC, 1959.
NORBERT KRICKER – STEELPLASTIC, 1959.

NORBERT KRICKE - RAUMPLASTIK, 1962.
NORBERT KRICKE – RAUMPLASTIK, 1962.

NORBERT KRICKE - KRAFFEBUNDEL, 1967.
NORBERT KRICKE – KRAFFEBUNDEL, 1967.

NORBERT KRICKER - MUSIKTHEATER IM REVIER.

NORBERT KRICKER - MUSIKTHEATER IM REVIER.


ARTE – PINTURA – CLAUDE MONET III – 1840 – 1926

ARTE ACORDA O OLHAR


Claude Monet foi um Pintor Françês. Começou seus estudos na Escola de Artes Le Havre com aulas de desenho com Jacques François Ochard. No Pintura seu aprendizado com Eugène-Boudin retratou paisagens ao ar livre. Foi para Paris em 1862 onde estudou com Charles Geeyre conhecendo Renoir, Bazille e Alfred Sisley, jovens pintores que mais tarde formariam com Manet o grupo dos Impressionistas. Com a guerra Franco-Prussiana em 1870, refugiou-se na Inglaterra onde conheceu as obras de Constable e Turner, artistas que o influenciaram nas suas pesquisas sobre a cor. Em 1872 pintou a tela ” Impression, Soleil levant ” Impressão, nascer do sol “ – obra que irá expor em 1874 na primeira exposição Impressionista e de onde o crítico Louis Lerey pejorativamente tirou o termo ” impressionistas ” para definir as características das obras dos artistas que participaram desta exposição. A partir dos anos 80 do século XIX suas paisagens e marinhas retratando o interior da França proporcionaram-lhe a pesquisa e o desenvolvimento da pintura em série. Numa destas viagens, descobriu Giverny onde irá morar e desenvolver suas séries de pinturas com a ” natureza controlada ” durante a construção de seus jardins. Entre os Impressionistas, Monet desenvolveu um verdadeiro tratado sobre a natureza da luminosidade, especialmente nas pinturas seriais com um mesmo motivo, retratados em diversos momentos diferentes do dia.

CLAUDE MONET
CLAUDE MONET

CLAUDE MONET - THE WOMAN IN THE GREEN DRESS, CAMILLE DONCIEUX, 1866.
CLAUDE MONET – THE WOMAN IN THE GREEN DRESS, CAMILLE DONCIEUX, 1866.

CLAUDE MONET - LE DEJEUNER SUR L`HERBE, COM GUSTAVE COURBET, 1865-66.
CLAUDE MONET – LE DEJEUNER SUR L`HERBE, COM GUSTAVE COURBET, 1865-66.

CLAUDE MONET - SEINE AT ROUEN, 1872.
CLAUDE MONET – SEINE AT ROUEN, 1872.

CLAUDE MONET - GRAND QUAI AT HAVRE, 1872.
CLAUDE MONET – GRAND QUAI AT HAVRE, 1872.

CLAUDE MONET - IMPRESSION, SOLEIL LEVANT, 1872.
CLAUDE MONET – IMPRESSION, SOLEIL LEVANT, 1872.

CLAUDE MONET - ARGENTUIL, 1875.
CLAUDE MONET – ARGENTUIL, 1875.

CLAUDE MONET - CORNER OF THE GARDEN AT MONTGERON, 1876.
CLAUDE MONET – CORNER OF THE GARDEN AT MONTGERON, 1876.

CLAUDE MONET - ILE SAINT MARTIN, 1880.
CLAUDE MONET – ILE SAINT MARTIN, 1880.

CLAUDE MONET - HAYSTACK AT GIVERNY, 1886.
CLAUDE MONET – HAYSTACK AT GIVERNY, 1886.

CLAUDE MONET - MEADOWS AT GIVERNY, 1888.
CLAUDE MONET – MEADOWS AT GIVERNY, 1888.

CLAUDE MONET - THE SEINE AT PORT-VILLEZ, 1894.
CLAUDE MONET – THE SEINE AT PORT-VILLEZ, 1894.

CLAUDE MONET - STEEP CLIFFS NEAR DIEPPE, 1897.
CLAUDE MONET – STEEP CLIFFS NEAR DIEPPE, 1897.

CLAUDE MONET - WATER LILY POOL, 1900.
CLAUDE MONET – WATER LILY POOL, 1900.

CLAUDE MONET - WATER LILIES, 1920-26.
CLAUDE MONET – WATER LILIES, 1920-26.


ARTE – POESIA – RUBÉN DARÍO – 1867 – 1916

ARTE EDUCA


Félix Rubén Garcia Sanniento foi um Poeta Nicaraguense. Considerado o pai da Poesia Moderna em língua espanhola, Darío teve forte influência da poesia romântica de Victor Hugo e da poesia Simbolista de Paul Verlaine. De ambos herdou a destreza do verso profundo e sensualizado. O resgate de sátiros, ninfas e centauros povoam o universo erótico da sua poesia, trazendo do passado uma das chaves do modernização do poema moderno – as forças vitais da expressão humana. Seus primeiros livros ” Epístolas y poemas ” ou ” Primeira Notas ” de 1885 publicado em 1888, ” Rimas ” e Abrojos ” de 1887, já apresentam inovações românticas na temática, embora com métrica clássica. Com a publicação do livro ” Azul…” em 1888, considerado o desencadeador da poesia moderna hispanoamericana, vemos claramente a preocupação com os males do seu tempo de ordem crítica e espiritual, como mais uma característica modernizadora. Em ” Prosas profanas y otros poemas ” de 1896, o poema já se encontra pleno dos apelos do sonho e da fantasia em torno da temática sensual-erótica. Seguem-se ” Canto de vida y esperanza ” de 1905, caracterizado pelo intimismo reflexivo e crítico. Podemos ainda citar suas obras posteriores como ” Ode a Mitre ” de 1906, ” El canto errante ” de 1907, ” Poema del otono y otros poemas ” de 1910, ” Canto a la Argentina y otros poemas ” de 1914 e ” Lira póstuma ” de 1919. Em prosa podemos citar sua produção crítica reunida no livro ” Los Raros ” de 1896.

RUBÉN DARÍO
RUBÉN DARÍO


ARTE – DANÇA – TAMARA KARSAVINA – 1885 – 1978

ARTE LIBERTA O OLHAR


Tamara Platonova Karsavina foi uma das mais importantes Bailarinas da Russia. Estudou no Balé Imperial de São Petesburgo e logo após se formar em 1902 foi convidada a dançar, como solista, no Balé Maryinsky, onde atuou em importantes peças como Giselle. Participou da companhia de Sergey Diaghilev o ” Ballets Russes ” desde sua fundação em 1909, dançando as coreografias mais importantes de Fokine, ao lado de Nijinsky, como Les Sylphides, Le Spectre de la Rose, Carnaval, Firebird e Petrushka – dançou também as coreografias de Massine como ” O chapéu de três pontas ” e ” Pulcinella “. A partir de 1918, foi morar na Inglaterra participando da fundação da Royal Academy of Dancing em 1920, exercendo papel de destaque no desenvolvimento da dança moderna naquele pais. Ficou conhecida pelo lirismo de suas interpretações, com alto domínio técnico aliado a expressão poética.

TAMARA KARSAVINA

TAMARA KARSAVINA

TAMARA KARSAVINA - KARSAVINA E ADOLF BOLM EM FIREBIRD, 1911.

TAMARA KARSAVINA - KARSAVINA E ADOLF BOLM EM FIREBIRD, 1911.

TAMARA KARSAVINA E NIJINSKY

TAMARA KARSAVINA E NIJINSKY

TAMARA KARSAVINA - KARSAVINA E MICHEL FOKINE EM L`UCCELLO DI FUOCO.

TAMARA KARSAVINA - KARSAVINA E MICHEL FOKINE EM L`UCCELLO DI FUOCO.

TAMARA KARSAVINA - KARSAVINA EM PETRUSHKA, 1911.

TAMARA KARSAVINA - KARSAVINA EM PETRUSHKA, 1911.


ARTE – MUSICA/PINTURA – LUIGI RUSSOLO – 1883 – 1947

ARTE ACORDA O OLHAR

MATRÍCULAS ABERTAS PARA A AULA DE ARTE BRASILEIRA EM SANTOS – DIA 2 DE OUTUBRO – OS INTERESSADOS,  DEVEM ENVIAR NOME COMPLETO E TELEFONE PARA CONTATO PARA O E-MAIL

luigilopreto@hotmail.com


Luigi Russolo foi um Compositor e Pintor Futurista Italiano. Foi Pioneiro da Musica Experimental na Vanguarda Futurista como Autor e Compositor do Manifesto ” The Art of Noises ” em 1913. A partir deste momento, tornou-se um dos teóricos que desencadeou os estudos e a criação da Musica Eletrônica. Ficou conhecido por incorporar os ruídos na composição na busca de uma complexidade sonora. Classificou os ” ruídos “ em seis categorias incorporados as composições como novas possibilidades com sons como os rugidos – trovões, explosões e tiros – assobios – sussurros, murmúrios – quedas, rapagem – percursão com madeira, metais, pedras e cerâmicas – e finalmente, vozes humanas ou de animais. Somava estas novas sonoridades com uma invenção chamada ” Intonarumori ” que reproduzia os barulhos da afinação de uma Orquestra, como no ” Gran Concerto Futuristico ” de 1917. Seu trabalho de Pintura reproduzia de forma traduzida sua pesquisa e realização sonora com a máxima do Futurismo  que foi o Movimento e a Velocidade.

LUIGI RUSSOLO

LUIGI RUSSOLO

LUIGI RUSSOLO - MUSICA, 1911.

LUIGI RUSSOLO - MUSICA, 1911.

LUIGI RUSSOLO - THE REVOLT, 1911.

LUIGI RUSSOLO - THE REVOLT, 1911.

LUIGI RUSSOLO - COMPENETRAZIONE DI CASELUCECIELO

LUIGI RUSSOLO - COMPENETRAZIONE DI CASELUCECIELO


ARTE – POESIA ARTHUR RIMBAUD – 1854 – 1891

ARTE ACORDA O OLHAR

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO DE ARTE MODERNA INTERDISCIPLINAR

OS INTERESSADOS DEVEM ENVIAR SEU NOME COMPLETO E TELEFONE DE CONTATO PARA O E-MAIL

luilopreti@hotmail.com


Jean Nicolas Arthur Rimbaud foi um Poeta Francês. Com uma infância conturbada e sem muita vocação para os estudos revelou-se a predileção para os versos. Aos 15 anos compunha versos originais e diálogos em Latim tendo como orientador o Professor Georges Izambard. Em 1871, em uma de suas fugas de casa, escreveu ” L´orgie parisienne ” e ” Le Coeur supplicie “ com claras referências à Comuna de Paris. A partir deste momento declara-se anarquista propondo a transcendência poética na criação com um frase célebre “…O Poeta se faz evidente por meio de um longo, imenso e refletido desregramento de todos os sentidos…” Escreve ” Soneto da Vogais “ enviando-o para o Poeta Simbolista Paul Verlaine que o convida a ir para Paris. Lá, tornaram-se amigos e amantes. Entre suas obras temos ” Le Soleil était encore Chaud ” ( 1866 ), ” Poésies ” ( 1869 – 1873 ), ” Le Bateau ivre ” ( 1871 ), ” Une Saison en Enfer ” ( 1873 ), ” Iluminações ” ( 1874 ) e ” Lettres ” ( 1870-1891 ). Sua Poesia influenciou toda a geração Simbolista e posteriormente as Vanguardas Dada e Surrealista.


ARTHUR RIMBAUD

ARTHUR RIMBAUD

ARTHUR RIMBAUD - PINTURA DE HENRI FANTIN-LATOUR - VERLAINE ( 1 À ESQUERDA ) E RIMBAUD ( SEGUNDO Á ESQUERDA ).

ARTHUR RIMBAUD - PINTURA DE HENRI FANTIN-LATOUR - VERLAINE ( 1 À ESQUERDA ) E RIMBAUD ( SEGUNDO Á ESQUERDA ).

ARTHUR RIMBAUD - EM HARAR, 1883.

ARTHUR RIMBAUD - EM HARAR, 1883.


ARTE – ARQUITETURA – ALBERTO CAMPO BAEZA – 1946

ARTE EDUCA O OLHAR

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO DE ARTE MODERNA EM PARIS E VIENA E PARA OS CURSOS DE ARTE MODERNA INTERDISCIPLINAR E HISTÓRIA GERAL DA ARTE ( SÃO PAULO )

OS INTERESSADOS DEVEM ENVIAR NOME COMPLETO E TELEFONE PARA CONTATO PARA O E-MAIL

luilopreti@hotmail.com


Alberto Campo Baeza é um Arquiteto Espanhol. Estudou no ETS Arquitectura de Madrid, onde se formou em 1971. Tem como característica explorar as formas essencializadas , a estruturação espacial em relação à luminosidade numa composição minimalista. Entre seus projetos podemos destacar a ” Escola San Sebastian de los Reues ”  ( 1983 ) em Madri, a ” Escola San Fermín ” ( 1986 ) em Madri, a ” Caja Turegano ” ( 1988 ) em Madri, ” Casa Gaspar ” ( 1991 ) em Cadiz, ” Caja de Ahorros ” ( 1999 ) em Granada e o ” Centro de Tecnologia ” em Inca ( 1999 ) na Espanha. Entre os prêmios que conquistou temos o primeiro prêmio para o Pavilhão Espanhol da Bienal de Veneza em 2000, Prêmio da Bienal de Miame em 2000, Prêmio COAM 2002 para a Casa Blas, o Prêmio COAB 2003, para o Centro BIT em Maiorca e o Eduardo Torrja Award de 2003 para a sede da Caja Granada de Arquitectura.

ALBERTO CAMPO BAEZA

ALBERTO CAMPO BAEZA

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA MOLINER

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA MOLINER

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA MOLINER, INTERIOR.

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA MOLINER, INTERIOR.

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA GASPAR, INTERIOR.

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA GASPAR, INTERIOR.

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA AHORROS, GRANADA, 1999.

ALBERTO CAMPO BAEZA - CASA AHORROS, GRANADA, 1999.

ALBERTO CAMPO BAEZA - MUSEO DA MEMORIA, ANDALUCIA, ESPANHA.

ALBERTO CAMPO BAEZA - MUSEO DA MEMORIA, ANDALUCIA, ESPANHA.


ARTE – MUSICA – ARAM KHACHATURIAN -1903 – 1978

ARTE RENOVA O OLHAR

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO DE ARTE MODERNA EM PARIS E VIENA E PARA O CURSO DE ARTE MODERNA INTERDISCIPLINAR COM INÍCIO DIA 3 DE SETEMBRO – SÃO PAULO.

OS INTERESSADOS DEVEM ENVIAR NOME COMPLETO PARA O E-MAIL

luilopreti@hotmail.com


Aram Khachaturian foi um Compositor Armênio. Começou sua formação em Musica tardiamente e de forma autodidata, iniciando seu aprendizado em Tuba e Piano. Identificado com as manifestações espontâneas da Musica Popular e Folclórica, desenvolveu um trabalho de resgate das canções e temas das suas origens armênias. Nascido na Geórigia, ainda pertencente ao Império Russo, foi para Moscou ende estudou Violoncelo e Composição. Compôs musica Orquestral e Ballets como “ Shchastye ” de 1939, ” Gayane ” de 1939-41 onde está incluída a ” Dança do Sabre ” – uma das suas mais surpreendentes composições – e ” Spartacus ” de 1950-54. Entre suas composições Orquestrais temos as ” Symphony N 1 ” de 1934, ” Symphony N 2 The Bell Symphony ” de 1943-44, ” Symphony N 3 Symphony-Poem ” de 1947, as Suites – ” Suite from Gayane ” N 1, N 2 e N 3 de 1944, ” Ode in Memory of Vladimir Ilich Lenin ” de 1948, ” Suite from Battle of Stalingrad ” de 1949, ” Thriumphal Poem ” de 1950, as Suites – ” Suite from Spartacus N 1, N 2 e N 3 de 1955 e a ” Symphony Pictures from Spartacus ” de 1955.

ARAM KHACHATURIAN

ARAM KHACHATURIAN

ARAM KHACHATURIAN

ARAM KHACHATURIAN

ARAM KHACHATURIAN - KHACHATURIAN COM SEU ALUNO KIRIL VOLKOV.

ARAM KHACHATURIAN - KHACHATURIAN COM SEU ALUNO KIRIL VOLKOV.


ARTE – CINEMA – LUCHINO VISCONTI II – 1906 – 1976

ARTE ACORDA O OLHAR

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO EM PARIS E VIENA E PARA O CURSO INTERDISCIPLINAR DE ARTE MODERNA ( SÃO PAULO – 3 DE SETEMBRO – DAS 14:30 AS 16 HS )

OS INTERESSADOS DEVEM ENVIAR O NOME COMPLETO E TELEFONE PARA CONTATO PARA O E-MAIL

luilopreti@hotmail.com


Luchino Visconti de Modrone foi Diretor de Cinema, Teatro e Ópera e Roteirista Italiano. É considerado um dos maiores Diretores de todos os tempos e um dos representantes da restauração da Poética na linguagem do Cinema. De familia nobre de Milão, teve educação exemplar desde criança, quando conheceu o compositor Giacomo Puccini, o Maestro Arturo Toscanini e o Escritor Gabriele d`Annunzio. Dirigiu Teatro e Ópera como a ” La Vestale “ em 1954, incluindo uma de suas cenas no filme ” Censo “ do mesmo ano. Sua formação em Arte fez de suas obras verdadeiras composições que integram os elementos da Direção de Arte, tornando-a condutora da narrativa visual. A beleza plástica de seus filmes criam uma atmosfera de total integração entro os elementos da Montagem. Nos filmes ” O Leopardo ” ( 1963 ) e em ” A Morte em Veneza ” ( 1971 ), conseguiu total excelência e Poética de linguagem dos elementos compositivos, tornando-os verdadeiros exemplosw do que a Sétima Arte é capaz de realizar. Trata dos conceitos filosóficos sobre a beleza em obras adaptadas ou em roteiros originais, focando o drama humana em toda a sua plenitude.

LUCHINO VISCONTI

LUCHINO VISCONTI

LUCHINO VISCONTI - CENA DE O LEOPARDO, 1963.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE O LEOPARDO, 1963.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE O LEOPARDO, 1963.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE O LEOPARDO, 1963.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE O LEOPARDO, 1963.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE O LEOPARDO, 1963.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE A MORTE EM VENEZA, 1971.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE A MORTE EM VENEZA, 1971.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE A MORTE EM VENEZA, 1971.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE A MORTE EM VENEZA, 1971.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE A MORTE EM VENEZA, 1971.

LUCHINO VISCONTI - CENA DE A MORTE EM VENEZA, 1971.


ARTE – FOTOGRAFIA – CARLOS PÉREZ SIQUIER – 1930

ARTE ACORDA O OLHAR

MATRICULAS ABERTAS PARA O CURSO DE ARTE MODERNA EM PARIS E VIENA E PARA O CURSO DE ARTE MODERNA INTERDISCIPLINAR ( INÍCIO 27 DE AGOSTO, DAS 14:30 AS 16 HS )

OS INTERESSADOS DEVEM ENVIAR NOME COMPLETO E TELEFONE PARA CONTATO PARA O E-MAIL

luilopreti@hotmail.com


Carlos Pérez Siquier é um Fotógrafo Espanhol. Nascido em Almería foi fundador da AFAL ( Agrupación Fotográfica Almeriense ) no final dos anos 50, desenvolvendo um trabalho considerado como um dos mais importantes da vanguarda espanhola de Fotografia. Durante tres décadas fotografou o bairro La Chanca em Almería, retratando em séries seus entornos. Desenvolve séries como documentários, retratando especialmente as ações espontâneas do cotidiano. Busca o indivíduo e sua forma de expressão com forte influência da POP ART, tanto nas fotos PB como coloridas. Revela fragmentos e detalhes de ironia das suas vivências pór onde passa. Já participou de várias exposições importantes como a Feira Internacional de Arte Contemporânea ARCO e em 2003 recebeu o Prêmio Nacional de Fotografia. Tem obras no acervo permanente do Museo Nacional Centro de Arte – Reina Sofia – e nos maiores Museus e Fundações da Espanha.

Carlos Pérez Siquier © Jesús Morón / EL MUNDO

CARLOS PÉREZ SIQUIER – FOTO DE JESÚS MORON/EL MUNDO.

Carlos Pérez Siquier

CARLOS PÉREZ SIQUIER – LA CHANCA, ALMERÍA, ESPANHA.

CARLOS PÉREZ SIQUIER – CABO DE GATA, 1991.

CARLOS PÉREZ SIQUIER – ALMERÍA.

CARLOS PÉREZ SIQUIER – EXPOSIÇÃO COLOR DEL SUR – 1970-1980.