ARTE – MOSTRA DE ARTE NO NEXT – PINTURA – DESIGN – FOTOGRAFIA – MOSTRA DE CURTA METRAGEM E PERFORMANCE 16 DOS ” FRAGMENTOS ” – CURADORIA LUIZ ROBERTO R. LOPRETO.

FRAGMENTOS - ENSAIO VI - SOLO PERFORMER LOPRETO - FOTO FELIPE COSTA - SÃO PAULO 2011.

FRAGMENTOS - ENSAIO VI - SOLO PERFORMER LOPRETO - FOTO FELIPE COSTA - SÃO PAULO 2011.


ARTE – CINEMA – JIM JARMUSCH – 1963

ARTE EDUCA

James R. ” Jim Jarmusch é Diretor, Roteirista, Editor, Produtor e Compositor de Cinema Independente dos EUA. Estudou na Medill School of Jornalism, transferindo-se para a Columbia University para estudar Literatura e Historia da Arte. Após uma estadia em Paris foi fazer Pós Graduação em Cinema na Tisch School of the Arts na New York University onde conheceu Spike Lee. Seu primeiro filme ” Permanent Vacation ” de 1980, também foi seu trabalho de conclusão do curso, seguido do seu primeiro trabalho fora da escola ” Stranger Than Paradise “ aclamado pela critica e premiado com o ” Camera d`Or ” no Festival de Cinema de Cannes de 1984. Identificado com o Cinema Independente é um de seus mais legítimos representante. Em 1986, escreveu e dirigiu ” Down by Law “, com músicas de John Lurie e Tom Waits e atuação de Roberto Benigni. Considerado um ” construtivista neo-noir “ e diretamente identificado pelo minimalismo na sua estética, procura aproximar temporalmente suas obras das coisas enquanto acontecem, do humor, do universo “PB” ( preto e branco ) e dos ritmos ligados ao blues e jazz. Entre suas obras temos ” Mystery Train ” ( 1989 ), ” Night on Earth ” ( 1991 ), ” Dead Man ” ( 1995 ), ” Ghost Dog: the Way of the Samurai ” ( 1999 ), ” Coffee and Cigarettes ” ( 2003 ), ” Broken Flowers ” ( 2009 ), ” Only Lovers Left Alive ” ( 2013 ).

JIM JARMUSCH

JIM JARMUSCH

JIM JARMUSCH - PERMANENT VACATION - 1980.

JIM JARMUSCH - PERMANENT VACATION - 1980.

JIM JARMUSCH - STRANGER THAN PARADISE - 1984.

JIM JARMUSCH - STRANGER THAN PARADISE - 1984.

JIM JARMUSCH - DOWN BY LAW - 1986.

JIM JARMUSCH - DOWN BY LAW - 1986.

JIM JARMUSCH - MYSTERY TRAIN - 1989.

JIM JARMUSCH - MYSTERY TRAIN - 1989.

JIM JARMUSCH - NIGHT ON EARTH - 1991.

JIM JARMUSCH - NIGHT ON EARTH - 1991.

JIM JARMUSCH - DEAD MAN - 1995.

JIM JARMUSCH - DEAD MAN - 1995.

JIM JARMUSCH - GHOST DOG - 1999.

JIM JARMUSCH - GHOST DOG - 1999.

JIM JARMUSCH - COFFE AND CIGARETTES - 2003.

JIM JARMUSCH - COFFE AND CIGARETTES - 2003.

JIM JARMUSCH - BROKEN FLOWERS - 2009.

JIM JARMUSCH - BROKEN FLOWERS - 2009.

JIM JARMUSCH - ONLY LOVERS LEFTI ALIVE - 2013.

JIM JARMUSCH - ONLY LOVERS LEFTI ALIVE - 2013.


ARTE – ESCULTURA/INSTALAÇÃO – DAVID ALTMEJD – 1974

ARTE ACORDA O OLHAR


David Altmejd é um artista Canadense. Estudou na Université du Quebec em Montreal e na Universidade de Columbia. Escultor, se apropria de objetos aparentemente aleatórios, para a construção de composições com leituras abertas em formato de Instalações. Propõe uma simbologia com novos mitos da cultura contemporânea como se fossem aparições/revelações super dimensionando as figuras como espectros. Participou da VIII Bienal Internacional de Istambul e em 2004 da Bienal do Whitney Museum. Como representante do Canadá participou da Bienal de Veneza ( 2007 ) .

DAVID ALTMEJD

DAVID ALTMEJD

DAVID ALTMEJD 1

DAVID ALTMEJD 1

DAVID ALTMEJD - THE SETTER - 2005 - COURTESY ANDREA ROSEN GALLERY AND STUART SHAVE MODERN ART.

DAVID ALTMEJD - THE SETTER - 2005 - COURTESY ANDREA ROSEN GALLERY AND STUART SHAVE MODERN ART.

DAVID ALTMEJD - THE GIANT - PAVILHÃO DO CANADÁ NA BIENAL DE VENEZA 2007.

DAVID ALTMEJD - THE GIANT - PAVILHÃO DO CANADÁ NA BIENAL DE VENEZA 2007.

DAVID ALTMEJD - THE VESSEL - 2011 - COURTESY OF THE ANDREA ROSEN GALLERY.

DAVID ALTMEJD - THE VESSEL - 2011 - COURTESY OF THE ANDREA ROSEN GALLERY.

DAVID ALTMEJD - LE ESPECTRE ET LA MAIN - 2012.

DAVID ALTMEJD - LE ESPECTRE ET LA MAIN - 2012.


ARTE – POESIA – CHARLES BUKOWSKI – 1920 – 1994

SEM ARTE NÃO ROLA


Henry Charles Bukowski foi um Poeta, Romancista e Contista, nascido na Alemanha e criado nos EUA. Morou ainda criança em Baltimore e Los Angeles. Aos 15 anos teve claro o apelo da Literatura compondo seus primeiros poemas. Estudou Jornalismo, se se formar e teve seu primeiro livro publicado só em 1955. Trabalhou nos Correios até 1969 sem ter seu talento de Poeta reconhecido, como nos mostra a Biografia do Poeta escrita por Howard Sounes com o título ” Charles Bukowski – Vida e Loucuras de um velho Safado “. Identificado com a Geração Beat, teve como característica na sua obra o universo coloquial das vidas inconformadas. Entre seus livros temos o Romance ” Factotum “, o livro ” Ao Sul de Lugar Nenhum ” e ” Crônica de um Amor Louco “.


A DOR É UMA COISA ESTRANHA

UM GATO QUE MATA UM PÁSSARO,

UM ACIDENTE DE AUTOMÓVEL,

UM INCÊNDIO…

A DOR CHEGA,

BANG

E EIS QUE ELA TE ATINGE

É REAL.

E AOS OLHOS DE QUALQUER PESSOA PARECES UM ESTÚPIDO

COMO SE TE TORNASSES, DE REPENTE, NUM IDIOTA.

E NÃO HA CURA PARA ISSO

A MENOS QUE ENCONTRE ALGUÉM

QUE COMPREENDA REALMENTE O QUE SENTES

E TE SAIBA AJUDAR…


CHARLES BUKOWSKI

CHARLES BUKOWSKI


ARTE – TEATRO – JEAN ANOUILH – 1910 – 1987

SEM ARTE NÃO ROLA!!!


Jean Marie Pierre Lucien Anouilh foi um Dramaturgo Francês. Estudou no Liceu Chaptal e teve como colega Jean Louis Barrault. Trabalhou como copywriter na Publicité Damour onde desenvolveu seus dotes literários e  em seguida trabalhou como secretário para o genial Ator e Diretor Louis Jouvet na Comédie des Champs-Elysées. Entre suas primeiras obras como Dramaturgo temos: ” Humulus le muet ” ( 1929 ), ” L´Hermine ” ( 1932 ) e ” Mandarine ” ( 1933 ). Nos anos 40, influenciado por Jean Paul Sartre e Albert Camus criou ” Antígona ” ( 1943 – adaptação da ” Antígona ” de Sófocles ), peça que desafiou o governo déspota de Vichy. Seu trabalho caracteriza-se pelo domínio dos gêneros ” Drama ” e da ” Farsa “, tornando-o um precursor do Teatro do Absurdo. Entre suas peças podemos citar: ” La Répétition ” ( 1950, ” Médée ” ( 1953 ), ” Le souge du crítica ” ( 1960 ), ” L`Orchestre ” ( 1962 ), ” Le Boulanger, la boulangère, et le petit mitron ” ( 1968 ), ” Les Paissons rouges ” ( 1970 ) e ” Le Cenário ” ( 1975 ). Anouilh ainda escreveu Roteiros para Cinema como: ” Les Degourdis de la onziéme ” ( 1936 ), ” La Citadelle du Silence ” ( 1937 ), ” Sans le Voyageur bagages ” ( 1944 ), ” Anna Karenina ” ( 1948 ), ” Monções ” ( 1952 ), ” Le Chevalier de la nuit ” ( 1954 ) e ” La Ronde ” ( 1964 ). Trabalhou ainda em Roteiros para Televisão e peças publicitárias e é considerado um dos mais completos Dramaturgos do século XX.

JEAN ANOUILH

JEAN ANOUILH


ARTE – FOTOGRAFIA – MARTIN PARR – 1952

ARTE ACORDA O OLHAR


Martin Parr é um Fotógrafo e Fotojornalista Inglês. Estudou Fotografia na Manchester Polytechnic. Começou fotografando em PB ( preto e branco ) ” Weather Bad “ ( 1982 ) e ” A Fair Day “ ( 1984 ). A partir deste momento se lança na pesquisa colorista iniciando suas séries em livros com cor, como podemos ver em ” The Last Resort: Photographs of New Brighton ” de 1986. Nos anos 90 tornou-se membro da Magnum Photos executando várias exposições e em 2007 apresentou sua Retrospectiva no ” Barbican Arts Centre ” em Londres. Tem uma leitura antropológica e satírica nas suas composições. Em 2008 tornou-se Doutor Honorário de Artes na Manchester Metropolitan University.

MARTIN PARR - AUTORETRATO.

MARTIN PARR - AUTORETRATO.

MARTIN PARR - THE LAST RESORT - 1983-85.

MARTIN PARR - THE LAST RESORT - 1983-85.

MARTIN PARR - THE LAST RESORT, 1985.

MARTIN PARR - THE LAST RESORT, 1985.

MARTIN PARR - BRISTOL GRAMMAR SCHOOL FROM THE SERIES COST OF LIVING - 1986-89 - MOMA COLLECTION.

MARTIN PARR - BRISTOL GRAMMAR SCHOOL FROM THE SERIES COST OF LIVING - 1986-89 - MOMA COLLECTION.

MARTIN PARR - STRAWBERRY TEA, MALVEN GIRL`COLLEGE - 1986-89 - MOMA COLLECTION.

MARTIN PARR - STRAWBERRY TEA, MALVEN GIRL`COLLEGE - 1986-89 - MOMA COLLECTION.

MARTIN PARR - OCEAN DOME ( BATH CENTER ) 1986.

MARTIN PARR - OCEAN DOME ( BATH CENTER ) 1986.

MARTIN PARR - PROTFOLIO.

MARTIN PARR - PROTFOLIO.

MARTIN PARR - LUXURY SEOUL ART FAIR - 2007.

MARTIN PARR - LUXURY SEOUL ART FAIR - 2007.


ARTE – POESIA – CHARLES PIERRE BAUDELAIRE II – 1821 – 1867

SEM ARTE NÃO ROLA


Charles Pierre Baudelaire foi um Poeta e Teórico de Arte Francês. Considerado o iniciador da ” tradição moderna em Poesia “, foi o mais influente artista para as gerações modernas posteriores, engajadas nos desdobramentos da vanguardas. Em 1857, lançou seu livro ” FLEUR DU MALE ” ( ” Flores do Mal ” ), inaugurando um novo olhar sensível à subjetividade na Poesia. Desenvolveu esse olhar no entorno da nova sociedade urbana e suas múltiplas realidades complexas, procurando objetivar os sentidos frente as novas necessidades para o desenvolvimento interior diante dos novos contextos de localização no espaço, tempo e lugar. Valorizando sua época, com seu olhar observador, revelou uma Poética de expressão para que o papel do artista não se resumisse apenas ao desabafo, mas pudesse interagir e pensar a Arte, nas palavras do próprio Poeta sobre a necessidade de uma nova Poética - ” …É criar uma mágica sugestiva, contendo a só tempo o objeto e o sujeito, o mundo exterior ao artista e o próprio artista. ” - Abaixo podemos conhecer um dos seus 100 poemas do Livro ” Flores do Mal ” com tradução de Jamil Almansur Haddad:

” CORRESPONDÊNCIAS “

A natureza é um templo onde vivos pilares

Podem deixar ouvir confusas vozes: e estas

Fazem o homem passar através de florestas

De símbolos que o vêem com olhos familiares.


Como os ecos além confundem seus rumores

Na mais profunda e mais tenebrosa unidade,

Tão vasta como a noite e como a claridade,

Harmonizam-se os sons, os perfumes e as cores.


Perfumes frescos há como carnes de criança

Ou oboés de doçura ou verdejantes ermos

E outros ricos, triunfais e pobres na fragrância.


Que possuem a expansão do universo sem termos

Como o sândalo, o almíscar, o benjoin e o incenso

Que cantam dos sentidos o transporte imenso.

CHARLES BAUDELAIRE

CHARLES BAUDELAIRE

GUSTAVE COURBET - RETRATO DE CHARLES BAUDELAIRE - 1847-48 - ÓLEO SOBRE TELA.

GUSTAVE COURBET - RETRATO DE CHARLES BAUDELAIRE - 1847-48 - ÓLEO SOBRE TELA.


ARTE – PINTURA – RICHARD PAUL LOHSE – 1902 – 1988

ARTE EDUCA O OLHAR


Richard Paul Lohse foi um Pintor e Artista Gráfico Suísso. Autodidata, em 1918 começou a trabalhar como Artista gráfico na Agência de Publicidade Max Dalang, paralelamente desenvolvendo sua Pintura com forte identidade Cubista. Nos anos trinta participa da Alianz, uma associação de artistas e se engaja na resistência contra o Nazismo. A partir dos anos 40 solidifica sua vocação pictórica e colorista desenvolvendo as Pinturas em série com propriedades modulares. Em 1953, publicou o livro ” New Design in Exhibitions ” onde expõe os princípios do Concretismo na Pintura e nas Artes Gráficas.

RICHARD PAUL LOHSE

RICHARD PAUL LOHSE

RICHARD PAUL LOHSE - SERIAL ELEMENTS CONCENTRATED IN RHYTHMIC GROUPS - 1940 - 1956.

RICHARD PAUL LOHSE - SERIAL ELEMENTS CONCENTRATED IN RHYTHMIC GROUPS - 1940 - 1956.

RICHARD PAUL LOHSE - THIRTY VERTICAL SYSTEMATIC COLOUR IN A YELLOW RHOMBIC FORM - 1943 - 1970.

RICHARD PAUL LOHSE - THIRTY VERTICAL SYSTEMATIC COLOUR IN A YELLOW RHOMBIC FORM - 1943 - 1970.

RICHARD PAULO LOHSE - SQUARES FORMED COLOUR GROUPS - 1944.

RICHARD PAULO LOHSE - SQUARES FORMED COLOUR GROUPS - 1944.

RICHARD PAUL LOHSE - FIFTEEN SYSTEMATIC COLOUR SEQUENCES WITHING A SYMMETRICAL SYSTEM - 1950 - 1965.

RICHARD PAUL LOHSE - FIFTEEN SYSTEMATIC COLOUR SEQUENCES WITHING A SYMMETRICAL SYSTEM - 1950 - 1965.

RICHARD PAUL LOHSE - VERSCHANKTE FARBKOMPLEMENTARE GRUPPEN - 1952 - 1974.

RICHARD PAUL LOHSE - VERSCHANKTE FARBKOMPLEMENTARE GRUPPEN - 1952 - 1974.

RICHARD PAUL LOHSE - VIER GLEICHE ASYMMETRISCHE GRUPPEN - 1962-63.

RICHARD PAUL LOHSE - VIER GLEICHE ASYMMETRISCHE GRUPPEN - 1962-63.

RICHARD PAUL LOHSE - VIER VERTIKALE SERIELLE STRUKTUREN - 1980.

RICHARD PAUL LOHSE - VIER VERTIKALE SERIELLE STRUKTUREN - 1980.


ARTE – CINEMA – TERENCE DAVIES – 1946

SEM ARTE NÃO DÁ!!!


Terence Davies é um Diretor, Ator e Roteirista Inglês. Seu primeiro trabalho foi um curta metragem ” Crianças ” em 1976, entrando em seguida para a Escola Nacional de Cinema. Durante o curso filmou ” Madonna and Child ” ( 1980 ) e em 1983 finalizou seu terceiro filme ” Morte e Transfiguração ” ( 1983 ) completando assim uma trilogia – Trilogy A. Tem como características uma profunda busca da expressão humana seja sob o aspecto auto biográfico ou social. Suas obras são composições simétricas onda todos os elementos que compõe a imagem interagem como podemos ver em ” The House of Mirth ” ( 2000 ). Entre seus trabalhos temos ” Distant Voices “, ” Still Lives ” e ” The Long Day Closes “. Produziu peças para Rádio como ” Um Passeio ao Jardim Paraíso ” ( 2001 ) e uma adaptação ” As Ondas ” ( 2007 ) de Virgínia Woolf. Em 2008 fez seu primeiro Documentário ” Of Time and The City ” e seu mais recente filme é ” The Deep Blue Sea “ ( 2011 ).

TERENCE DAVIES
TERENCE DAVIES

TERENCE DAVIES - MADONNA AND CHILD, 1980 ( TRILOGIA )
TERENCE DAVIES – MADONNA AND CHILD, 1980 ( TRILOGIA )

TERENC E DAVIES - DEATH AND TRANSFIGURATION, 1983 ( TRILOGIA ).
TERENC E DAVIES – DEATH AND TRANSFIGURATION, 1983 ( TRILOGIA ).

TERENCE DAVIES - THE HOUSE OF MIRTH, 2000.

TERENCE DAVIES - THE HOUSE OF MIRTH, 2000.

TERENCE DAVIES - OF TIME AND THE CITY, 2008.

TERENCE DAVIES - OF TIME AND THE CITY, 2008.

TERENCE DAVIES - DEEP BLUE SEA, 2011.

TERENCE DAVIES - DEEP BLUE SEA, 2011.


ARTE – ESCULTURA/PINTURA – ANNE TRUITT – 1921 – 2004

ARTE ACORDA O OLHAR

Anne Truitt foi uma Escultora e Pintora dos EUA. Estudou Psicologia no Bryn Mawr College. Seu trabalho, a partir dos anos 50, caracterizou-se pelo desenvolvimento de uma linguagem das formas na Pintura e Escultura. Influenciou a geração de artistas Minimalistas como Ellsworth Kelly e Donald Judd. As Esculturas, semelhantes a totens, expostas na sua primeira exposição individual em 1963 na Galeria Emmerich André, evidenciaram sua capacidade de síntese aliando a unidade das formas com uma proposta colorista de valorização da cor enquanto significado. Anne Truitt, como poucos, soube explorar a cor como expressão final da obra, desmistificando a necessidade contínua por representações nos significados.

ANNE TRUITT  - PERCEPÇÃO E REFLEXÃO - NO SEU STUDIO EM 1962.

ANNE TRUITT - PERCEPÇÃO E REFLEXÃO - NO SEU STUDIO EM 1962.

ANNE TRUITT - SEVEN - ACRÍLICA SOBRE MADEIRA - 1962.

ANNE TRUITT - SEVEN - ACRÍLICA SOBRE MADEIRA - 1962.

ANNE TRUITT - PINTURA - 1965.

ANNE TRUITT - PINTURA - 1965.

ANNE TRUITT - SEM TÍTULO - ACRÍLICA SOBRE PAPEL - 1966.

ANNE TRUITT - SEM TÍTULO - ACRÍLICA SOBRE PAPEL - 1966.

ANNE TRUITT - A WALL FOR APRICOTS - 1968.

ANNE TRUITT - A WALL FOR APRICOTS - 1968.

ANNE TRUITT - WAY IX - ACRÍLICA SOBRE TELA - 1977.

ANNE TRUITT - WAY IX - ACRÍLICA SOBRE TELA - 1977.

ANNE TRUITT - SECOND REQUIEM - ACRÍLICA SOBRE MADEIRA - 1977 - 1980.

ANNE TRUITT - SECOND REQUIEM - ACRÍLICA SOBRE MADEIRA - 1977 - 1980.

ANNE TRUITT - TWINING COURT - ACRÍLICA SOBRE MADEIRA - 2001.

ANNE TRUITT - TWINING COURT - ACRÍLICA SOBRE MADEIRA - 2001.

ANNE TRUITT - ESCULTURAS - DE 1962 - 2004.

ANNE TRUITT - ESCULTURAS - DE 1962 - 2004.